segunda-feira, novembro 28, 2005


"Como a peça de um puzzle que teima em não encaixar em lado nenhum. Isolada comigo mesma, não importa para que lado me vire, apenas encontro mais espaços vazios. Não há amigos ou família que me valham, porque também aí nunca encaixei.
A solidão não me incomoda, nunca me incomodou. As refeições sozinha também não. Apenas começam a pesar as lágrimas que guardei nos bolsos, e as palavras que escolhi nunca dizer. Pesam as toneladas de sentimentos que nunca demonstrei, pesam os problemas que guardei para mim mesma. As preocupações, os medos, as euforias contidas. Pesa-me a minha própria sombra…
Sinto o coração a diminuir de tamanho, as dores dos outros começam a deixar de me preocupar, à medida que vou sendo atropelada pela realidade da minha própria vida. Vida que não é vida, nunca foi. São passos mecânicos que vou dando ao longo do tempo, sem sequer me aperceber deles, tudo o que eu sou, o que eu fui, as metas, os desejos, eu mesma, a pessoa que gostava de ser, tudo isso ficou cá dentro, pura e simplesmente porque não se encaixava lá fora. E eu nunca quis ter que forçar-me a encaixar em lado nenhum.
Continuo à deriva por aí. Sorriso de plástico colado no rosto, observando os outros, dando uma mão quando alguém precisa, mas ao fim do dia regresso ao meu canto. Envolvo-me nas minhas coisas e choro, porque mais uma vez me escondi em mim mesma, pelo bem das aparências, mais uma vez escolhi mostrar apenas o lado bom, pus mãos à obra, e esculpi uma nova pessoa aos olhos do mundo.
Desenhei-a em cima do joelho, contornos bem carregados, interior meio difuso, para ninguém conseguir ver o que lá vai dentro.

Tenho as lágrimas tatuadas no meu rosto, e no entanto ninguém parece dar por elas. O meu único desejo era conseguir desistir, mas não posso. O meu mais alto objectivo, era ser de facto transparente. Sinto-me assim, a cada dia mais, mas continuo a ver o meu reflexo no espelho, continuo a sentir os soluços virem de dentro. As mãos continuam roxas de frio, as faces rubras da raiva de ser assim.

Não pedi a ninguém para nascer. Não há nada que me leve a querer ver mais um dia nascer, sei que o mundo irá continuar sem mim.
Estou demasiado perdida, no labirinto de mim mesma já bati em demasiadas paredes, e em nenhuma delas gritei, porque algures no caminho encontrei uma placa que dizia “Não incomodar”. Eu não incomodo, juro que não. Fico aqui quietinha, e amanhã saio de novo à rua com um sorriso forçado. E no outro dia também, e no outro, e no outro… e no fim, quando eu morrer, as pessoas que ficarem não se hão de recordar do meu nome, serei apenas aquela miúda caladinha que tinha sempre um sorriso nos lábios."
18/11/05

9 comentários:

Anónimo disse...

Para alguém és e serás sempre muito mais do que "aquela miuda caladinha...", tens um nome lindo como tu, tens um lar quentinho para te acolher sempre, tens familia que te ama como és de verdade, tens amigos que te adoram....
Mas há dias assim, cinzentos, sem côr, com muita "trovoada"... mas não desanimes, continua a tua busca e nunca te esqueças... "um dia depois do outro..."

Beijos cheios de ternura!

Pescador disse...

Fizeste-me chorar meu Anjo !!

...

...encontrei em ti muito mais do que uma miúda caladinha que tinha sempre um sorriso nos lábios!!
Ouço o som das tuas palavras e contento-me em imaginar os sorrisos que se desenham no teu rosto !!
Por isso ouço-te e imagino-te... não tens nada de caladinha para mim, excepto o silêncio de uma sorriso que sei que existe mas que não vejo !!
Sinto aqui a tua raiva... penso que sinto neste mundo tantas vezes esta mesma raiva... raiva de seres diferente !?!? de te sentires diferente !??! ... daquilo que tu és , uma menina , sim uma menina, vulnerável, carente, frágil... e da capa que veste e disfarça as lágrimas !!
Senti hoje as tuas lágrimas... porque as limpei do meu rosto !!
...
Honra-te e dedica-te meu anjo de asas de borboleta ... vive e deixa-te viver ... não tenhas medo de sofrer nem de amar... sonha acordada ... adormece em paz !!
Gosto de ti anjo que bailas sobre o mar onde vivo... gosto de ti assim como tu és..., assim como tu queres ser..., assim ;-) !!
Bjs doces e carregados de saudade meu Anjo !!
Pescador
;-) !!

Um Mundo Meu disse...

Às vezes sinto-me exactamente assim, uma peça que não encaixa em lado nenhum.
Tenho saudades das (poucas) conversas que tivemos. De partilhar bocadinhos de mim com alguém que sei que compreende, de "enfrentar" a noite, a escuridão e a solidão sabendo que está alguém do outro lado.
Gosto de ti;).

Beijinhos,

Vera

Pescador disse...

Olá ;-) !! Esta visita apenas serve para te convidar a visitares o meu novo blog " Os sons do Mar ... http://ossonsdomar.blogspot.com/
A Inauguração é hoje às 00.00 !! Bjs doces, Pescador

Drops disse...

...

queria conseguir sentir isso...

mas sim, um pé à frente do outro, um passo de cada vez...

beijo enorme
R

Drops disse...

não chores Pescador,

lava o rosto com água desse mar que te rodeia e sorri. talvez por te ver sorrir eu o consiga fazer também.

um beijo
Drops

Drops disse...

um mundo meu,
=) está para breve...

um beijo
Drops

Vivis disse...

Caríssima,
Em poucas palavras me vi chorando contigo em um silêncio profundo ... e assim fiquei horas contigo ... e hoje voltei para deixar meu abraço.
Gostaria de ser sua amiga e estivesse ai contigo para ouvir o teu silêncio e oferecer-lhe um sorriso tímido.
Já lhe disse, se não falo agora, você me cativou e saiba que no meu coraçao se encaixa, gosto de ti e é importante para mim, estou sempre aqui e contigo...
Beijinhos

Drops disse...

Olá Vi...

Acho que todos temos dias de força extrema, outros de tristeza profunda. Por vezes tudo o que precisamos é de um abraço confortável ou uma palavra amiga, outras vezes, somos nós mesmos que as levamos a quem precisa... Aqui, talvez tenhas encontrado um sitio onde a única coisa que corre são as palavras, porque os sentimentos ficam estáticos no tempo, e em ti, sempre encontrei a compreensão de palavras, que embora distantes, acabam por ficar aqui pertinho.

Um beijo grande, e obrigada por estares sempre lá.
Drops