terça-feira, setembro 09, 2008

Guerra dos mudos


Os dias correm-te por entre a amargura de uma vida repleta de desilusões. Agarras-te com força ao que tens, com medo de cair em algo que desconheces, e vejo as tuas lágrimas choverem por entre sorrisos azuis.

Agarrado a algo que há muito deixou de ser, mas por imposição das aparências manténs bem firme, procurando que amanhã seja diferente de hoje, esqueces-te apenas que diferente nem sempre é melhor.

Amanhã chega, e o ontem bate-te com a porta na cara quando o tentas fixar nos olhos. A oportunidade foi-se embora, e o teu silêncio impera nesse teu reino tão pequenino.

És mais, és tão maior que um gigante Liliputiano resignado a essa guerra feroz entre dois mudos que outrora foram amantes.

Talvez as palavras que vais deixando sair em tom de apelo sejam suficientes, e os poucos olhares que derramas complacente nesse teu refúgio sejam suficientes, e os amores quase platónicos que sofres sejam suficientes… talvez.

A gentileza dos teus gestos devia ser permanente, sabes? Devias olhar um pouco para ti, e descobrir de que cor querias pintar os teus dias, para cobrir esse sépia envelhecido que vais deixando a cada passo.

Os teus bolsos são demasiado fundos, e esses nadas demasiado pesados.


Mais uma chance, só mais uma, de mil que estão p’ra trás, e mais mil que estão pela frente, e a vida vai-te passando pelas mãos sem teres tempo de a chegares a viver. Mais uma batalha, com silêncios de espada em punho, e olhares de caçadeira nas mãos.

Mais uma hipótese, as coisas mudam, vai ser diferente, quando no fundo também não acreditas nessa mudança, e de cada vez que sorris, os castelos derretem e naufragas novamente deitado na tua própria cama.

O amor há muito passou a memória, a memória há muito passou a ódio, e o tempo… há muito que apenas passou.



Entre o ódio e o amor, existe um espaço muito cómodo a que chamaram casamento. Talvez o leves demasiado a sério, talvez os outros o levem demasiado a brincar... talvez, e apenas talvez, mais uma chance te leve para o lado errado desse abismo que vos une.
Mas como sempre, cá estarei.

2 comentários:

Helena disse...

Nunca as tuas palavras foram tão sábias e tão certeiras. Para quem escreves não sei, mas que me vejo e revejo nestes desabafos, vejo.
Beijo Gordo!

Anónimo disse...

Mais uma vez passei por aqui.
Quantas verdades existem neste teu texto.
Comentários para quê? òdios... desfazem-se com o tempo. Deixa de haver sentimento. De tudo o que existiu ficam as boas lembranças e as lições que fomos tendo ao longo do caminho. Sendo quem és e o que és tenho a certeza que muito aprendeste com a vivência de outras pessoas. Segue em frente, contorna os pedregulhos que te aparecerem e ... continua a escrever.

O meu nome .... Crepúsculo